Como tirar cisco do olho?
Técnicas para não machucar o olho
 
A melhor maneira de tirar cisco do olho é lavando com água abundante ou soro fisiológico. Caso isso não seja possível, sugere-se a ação de abrir e fechar o olho, para estimular a secreção lacrimal e auxiliar na remoção do cisco.
 
Qualquer corpo estranho que entrar no nosso olho pode causar irritação, desde poeira, ciscos, fragmentos e estilhaços. Pior de tudo é que, dependendo do jeito que você lidar com ele – da velocidade com que ele chega até o olho, do tipo de substância e até do local em que ele se localiza no globo ocular –, poderá provocar lesões. Embora um cisco no olho seja algo simples, ele merece atenção e cuidado.
 
Se você notar que o cisco está na pálpebra inferior, use a ponta de um cotonete ou um lenço limpo, para retirá-lo de maneira delicada. É claro que as indicações acima também valem! Mas tome cuidado, pois a dor e irritação pode ser sinal de que precisa ir ao médico. Já falamos aqui sobre dor no olho e o que pode ser.
 
A sensação de desconforto e ardência pode permanecer no olho, mesmo algum tempo depois da retirada do cisco, afinal, o atrito ocasionou uma irritação, que logo mais passará. Deixar o olho fechado por algum tempo pode agilizar a melhora. Caso mesmo assim persista consulte um médico, pois pode ser um sintoma de conjuntivite.
 
CISCO NO OLHO PODE SER EMERGÊNCIA MÉDICA
Certas situações podem necessitar de atendimento médico,para evitar quaisquer prejuízos em relação à sua visão e à saúde do seu olho. São elas:
 
Quando a sensação de desconforto e ardência permanecem, embora você tenha lavado o olho, retirado o cisco e, até mesmo, fechado seus olhos para acalmar a irritação;
Quando não conseguir retirar o cisco e a sensação de desconforto e ardência continuarem;
Quando o cisco estiver situado na parte branca do olho ou na parte colorida;
Quando o material que entrou no olho for mais perigoso, como farpas de madeira, estilhaços de metal, insetos ou vidro;
Quando você for usuário de lentes de contato e mesmo após lavá-las ainda tenha irritação nos olhos.
Nunca tente tirar um cisco do olho coçando-o, pois isso poderá arranhar a córnea e causar ainda mais dor e incômodo. Não somente isso, essa atitude pode provocar uma infecção, expondo o órgão a muitos microrganismos.
 
Fonte:https://bit.ly/2BJMBYT

Hipotiroidismo – O que é? Sintomas, Causas e Tratamentos

O hipotireoidismo é uma doença endócrina, que acontece quando a glândula da tireoide apresenta baixa atividade e não consegue produzir a quantidade suficiente de hormônios. Estes são fundamentais para o metabolismo e, quando não estão em níveis ideais, acabam desregulando diversas funções do organismo.

É uma doença mais comum em mulheres acima dos 50 anos, mas pode atingir qualquer pessoa. Grávidas também estão mais propensas a apresentarem o problema.

CAUSAS

O hipotireoidismo pode ser causado por algumas doenças ou mesmo pelo tratamento delas, além de medicamentos e cirurgias. As principais causas são:

  • Inflamação na tireoide, ou Tireoide de Hashimoto;
  • Tratamento de hipertireoidismo – o hipertireoidismo é o oposto do hipotireoidismo, caracterizado pelo nível elevado de hormônio produzido pela tireoide. O tratamento faz com que a atividade da glândula diminua e, em alguns casos, mais que o necessário, causando hipotireoidismo;
  • Doenças autoimunes;
  • Doenças congênitas;
  • Cirurgia para remover uma parte da tireoide;
  • Gravidez;
  • Medicamentos;
  • Radioterapia.

SINTOMAS

O hipotireoidismo pode afetar o corpo inteiro, causando inúmeros sintomas. Um dos principais, que, muitas vezes, é o que faz com que as pessoas procurem um médico, é o cansaço excessivo, devido ao metabolismo desregulado.

Além dele, outros possíveis sintomas são:

DIAGNÓSTICO

O hipotireoidismo se dá por meio de um exame de sangue, com o objetivo de medir os níveis do hormônio TSH (estimulante da tireoide), T3 e T4, que são os hormônios produzidos pela tireoide. Quando ocorre o hipotireoidismo, os níveis de TSH ficam acima do esperado e os níveis de T3 e T4 ficam abaixo. Já falamos aqui como funciona o exame de TSH. 

A doença também pode ser diagnosticada por meio de ultrassonografia ou mapeamento de tireoide. Quem vai definir qual é o exame ideal a ser realizado é o médico, dependendo do seu caso.

TRATAMENTO

Antes de falar sobre o tratamento, é preciso entender que a tireoide é responsável pela produção de dois hormônios: o T3 (triiodotironina) e o T4 (tetraiodotironina). O tratamento mais comum para hipotireoidismo é feito com reposição hormonal do T4. O corpo naturalmente converte o T4 em T3, por isso o medicamento contém apenas um dos hormônios.

Para definir a dose adequada do medicamento, é preciso realizar novos diagnósticos a cada dois ou três meses, segundo orientação médica. De acordo com o andamento do tratamento, o especialista poderá aumentar ou diminuir a dose, para garantir bons resultados e evitar efeitos contrários ao esperado. Muitas vezes, inicia-se com uma dose baixa e vai aumentando, para que o corpo possa acostumar-se.

O hipotireoidismo é uma doença que tem cura, já que é possível regular os níveis hormonais. Porém, é necessário realizar a reposição hormonal por toda a vida.

Caso suspeite que possa estar com hipotireoidismo, procure um médico, o quanto antes. O especialista mais indicado para essa questão é o endocrinologista.

REFERÊNCIAS

MINISTÉRIO DA SAÚDE (2016) Hipotiroidismo. Disponível em <http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2197-hipotireoidismo>

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Protocolo de hipotiroidismo no adulto. Disponível em <http://www.hu.ufsc.br/setores/endocrinologia/wp-content/uploads/sites/23/2015/01/PROTOCOLO-DE-HIPOTIREOIDISMO-2-NO-ADULTO-OK-20-de-julho.pdf>

 

Fonte: https://bit.ly/2PzVhnK

 

Vitaminas do complexo B – Quais são e para que serve?

Entenda mais sobre o complexo B, suas vitaminas, em quais alimentos elas podem ser encontradas e a maneira certa de suplementá-las:

QUAIS SÃO AS VITAMINAS DO COMPLEXO B?

O complexo B é composto por 8 vitaminas diferentes. Conforme explica o professor titular da Universidade de São Paulo, Helio Vanucchi, a tiamina (vitamina B1) foi um dos primeiros complexos a ser estudado, sendo descoberto no início do século XIX. Suas funções são extremamente benéficas para o organismo, na qual cada tipo possui benefícios isolados.

Conforme indicações do doutor, a indicação de consumo diário das vitaminas do complexo B é de  50 a 300 mg/dia, dependendo da gravidade do caso de deficiência. Se for necessária somente a suplementação, pode-se fazer uso de 10mg diárias.

VITAMINA B1

Também conhecida como Tiamina, a vitamina B1 é importantíssima para o sistema nervoso. Além disso, ela age no metabolismo da glicose (carboidratos), dos aminoácidos (proteínas) e dos ácidos graxos (gorduras). Ainda, ajuda a aliviar o estresse, atuando diretamente no sistema imunológico.

Sua falta pode causar, entre outros problemas, a depressão. Por isso, para evitar problemas, a B1 pode ser encontrada em carnes e na gema dos ovos, além do feijão e dos vegetais verde-escuros. Já falamos antes aqui sobre os benefícios da vitamina B1. 

VITAMINA B2

A vitamina B2, ou Riboflavina, atua na formação dos glóbulos vermelhos – o que é fundamental para o transporte do oxigênio pelo corpo. Ainda, ela é antioxidante e previne o envelhecimento das células.

Uma das fontes de vitamina B2 é o leite e seus derivados.

VITAMINA B3

Niacina, ou vitamina B3, é uma importante aliada no combate à diabetes. Ainda, ajuda no controle do colesterol, reduzindo os níveis de colesterol ruim no corpo e aumentando os níveis do colesterol bom.

A vitamina pode ser encontrada no feijão, nas carnes brancas, na levedura da cerveja, entre outros alimentos.

VITAMINA B5

Também conhecida como Ácido Pantotênico, a vitamina B5 atua na quebra de carboidratos e gorduras, sendo muito importante para aumentar os níveis de hormônios esteroides, como testosterona, progesterona e outros.

Ela pode ser encontrada no ovo, no brócolis e em outros legumes.

VITAMINA B6

Vitamina B6, ou Piridoxina, age na formação do colágeno e da elastina, além de reduzir os riscos de doenças cardíacas e aumentar a produção de serotonina e melatonina – neurotransmissor e hormônio fundamentais para o bom humor e para as boas noites de sono. Para quem quiser saber mais sobre o assunto confira os benefícios da vitamina B6. 

VITAMINA B7

Também conhecida como Biotina e, até mesmo, como vitamina da beleza, a B7 ajuda no combate à acne e à caspa, além de deixar cabelos e unhas mais bonitos e saudáveis. Ainda, controla os níveis de açúcar no sangue, oferece benefícios para gestantes e para o feto, sendo importante para a metabolização das vitaminas B5 e B12.

Ela pode ser encontrada no leite, na batata, nas nozes e em outros alimentos.

VITAMINA B9

A vitamina B9 também é chamada de Ácido Fólico ou Folato, é um nutriente fundamental durante a gestação, pois ajuda na formação do bebê e na prevenção de doenças. É encontrada principalmente nos vegetais verde-escuros.

VITAMINA B12

A Cobalamina, ou vitamina B12, auxilia na oxigenação do organismo e na saúde de todas as células do corpo. É encontrada apenas nos alimentos de origem animal, como carnes, leite e ovos, por isso, pessoas vegetarianas e veganas precisam suplementar essa vitamina, que é muito importante para o organismo. Veja aqui quais são os perigos da deficiência de vitamina B12.

Como visto, as vitaminas do complexo B desempenham diferentes funções no organismo. Muitas das quais estão associadas diretamente com a saúde metabólica, neurológica e da imunidade corporal. Outras vitaminas também possuem benefícios adjacentes, como as vitaminas para ganhar massam muscular ou para prevenir o envelhecimento da pele, como faz a vitamina E.

REFERÊNCIAS USADAS NESTE CONTEÚDO

VANNUCHI, Helio; CUNHA, Selma. Funções Plenamente Reconhecidas de Nutrientes Vitaminas do Complexo B: Tiamina, Riboflavina, Niacina, Piridoxina,Biotina e Ácido Pantotênico. Disponível em <http://ilsi.org/brasil/wp-content/uploads/sites/9/2016/05/09-Complexo-B.pdf>

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Vitaminas: parte do complexo B, as vitaminas B6, B9 e B12 possuem papeis importantes para o metabolismo. Disponível em <http://www.blog.saude.gov.br/index.php/570-destaques/34285-vitaminas-parte-do-complexo-b-as-vitaminas-b6-b9-e-b12-possuem-papeis-importantes-para-o-metabolismo>

Fonte: https://bit.ly/2w7bqZz

Surto de Sarampo – Como evitar? Dicas de prevenção e tratamento

Conhecido pelas bolinhas vermelhas pelo corpo, o sarampo é uma doença infecto-contagiosa, que se alastra facilmente, tornando-se um surto. O vírus causador dessa doença é o Morbillivirus. Em países sub-desenvolvidos é uma das doenças com maior índice de mortalidade infantil.

A vacina é a maneira mais eficaz de prevenção à doença. Em 2016, o Brasil conseguiu erradicá-la, inclusive, o país conta com um certificado, emitido pela OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) de erradicação da doença. No entanto, esse ano, o país apresenta surtos de sarampo nos estados de Roraima e Amazonas.

Conheça sobre a doença e saiba como prevenir-se:

COMO EVITAR O SARAMPO

A única maneira de fato eficaz para evitar o sarampo é com a vacina. A primeira é dada aos 12 meses de idade, sendo a tríplice viral, que imuniza a criança contra sarampo, rubéola e caxumba. A vacina de 15 meses (1 ano e 3 meses) é a tetra viral, fortalecendo a imunidade dessas doenças, junto à varicela. Crianças menores de um ano ou que por algum motivo não foram vacinadas devem ficar longe de pessoas contaminadas.

A vacina contra o sarampo pode ser aplicada em pacientes de até 29 anos, que ainda não tiveram sarampo, sendo feita em duas doses, com intervalo de 30 dias entre uma e outra. Pacientes entre 30 e 49 anos tomam apenas uma dose da vacina contra o sarampo. Pessoas que já tiveram sarampo acabam tornando-se imunes à nova contaminação.

TRATAMENTO PARA SARAMPO

O sarampo não é tratado, e sim os seus sintomas. O paciente com a doença deverá seguir alguns cuidados, para aliviar o incômodo causado pelo vírus e, também,para evitar o surto de sarampo. O tratamento inclui:

  • Hidratação, ingerindo mais líquidos, de preferência água;
  • Alimentar-se de forma saudável, pois ajuda a fortalecer o sistema imunológico;
  • Suplementação de vitamina A;
  • Medicamentos para controlar os sintomas, como febre, náuseas e vômitos.

É preciso fazer repouso e não frequentar lugares com aglomerado de pessoas. Isso é feito durante todo o período de infecção, sendo 4 dias após o aparecimento das manchas. Em alguns casos, o médico poderá aumentar esse período.

O QUE É O SARAMPO?

É uma doença infecciosa, altamente contagiosa. Atinge a população que não está imune ao vírus causador do sarampo, sendo as crianças as mais afetadas com essa doença que, se não tratada, pode levar à morte. Já falamos aqui sobre a transmissão e sintomas do sarampo. 

Não existem tipos de sarampo, o que acontece é que a doença apresenta-se em fases: quanto mais ela avança, maior é a complicação do quadro de saúde do paciente. O mesmo vírus ainda pode ocasionar doenças parecidas como a catapora, a varicela e a herpes.  

O contagio é feito por meio de secreções vindas do nariz e da boca, podendo acontecer, também, no simples ato de respirar ou falar. Por isso, ficar no mesmo ambiente que uma pessoa contaminada aumenta os riscos de contagio. Esses são duplicados se as pessoas estiverem em um ambiente fechado, com aglomerado de pessoas.

Por isso, ao menor sintoma da doença, recomenda-se procurar um médico. No caso de crianças, ela não deverá ir à escola ou frequentar lugares públicos, enquanto não houver um diagnóstico médico e um tratamento adequado. Caso contrário, poderá contaminar outras pessoas, contribuindo para o surto de sarampo.

SINTOMAS DO SARAMPO

É preciso conhecer os sintomas do sarampo, para identificar a possibilidade da infecção. Se observar um ou mais desses sintomas, procure um médico imediatamente, para evitar maiores problemas e a transmissão.

Os sintomas podem surgir entre 7 e 18 dias após o contágio, pois esse é o período de incubação do vírus no organismo. Os sintomas são:

  • Febre;
  • Tosse persistente;
  • Coriza;
  • Fotofobia;
  • Conjuntivite;
  • Manchas vermelhas (principalmente atrás das orelhas);
  • Prostração.

As manchas vermelhas aparecem por volta do 2º ou 4º dia após os primeiros sintomas.Quando elas surgem, significa que a doença está em estágio de transmissão avançada. Elas também podem causar outros problemas mais sérios, como infecção nos ouvidos, pneumonia, convulsões, diarreias ou, até mesmo, graves lesões no sistema nervoso.

Quando o paciente está melhorando apresenta diminuição da febre e as manchas ficam com uma cor escurecida, com uma leve descamação, semelhante à farinha.

REFERÊNCIAS

INFORME EPIDEMIOLÓGICO DO SUS. A evolução do sarampo no Brasil e a situação atual. Disponível em <http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?pid=S0104-16731997000100002&script=sci_arttext>

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Folha informativa sobre o sarampo. Disponível em <https://www.paho.org/bra/index.php?

Fonte: https://bit.ly/2nYVSTw

 

Como parar soluço?

Outras manobras que podem parar um soluço de forma rápida são:

  1. Beber um copo de água gelada: irá estimular os nervos do tórax;
  2. Chupar gelo: também estimula os nervos do tórax;
  3. Tomar um susto: essa antiga tática realmente funciona, pois faz com que se libere adrenalina, interferindo no funcionamento do cérebro e estimulando os nervos musculares;
  4. Rir bastante: também está relacionado com a liberação de adrenalina;
  5. Tapar o nariz e forçar para soltar o ar: faça isso contraindo o tórax, para estimular os nervos dessa região;
  6. Coçar o céu da boca usando um cotonete de algodão;
  7. Ingerir uma colher de açúcar, limão, mel, gengibre ou vinagre: são ingredientes que estimulam as papilas gustativas, fazendo com que os nervos da boca se sobrecarreguem e deixem o cérebro ocupado com outros estímulos, relaxando o diafragma.

O soluço é uma consequência de um espasmo do diafragma, que vem acompanhado concomitantemente ao fechamento da glote. Isso prejudica a passagem de ar para os pulmões e produz o som clássico do soluço.

CAUSAS DO SOLUÇO

O soluço é um sintoma benigno, na maioria dos casos, mesmo que ele seja desagradável e bem incômodo. As causas mais comuns associadas ao soluço são:

  • Mudanças bruscas de temperatura;
  • Ingestão de grande quantidade de alimentos;
  • Deglutição de ar;
  • Tabagismo;
  • Consumo de bebidas alcoólicas;
  • Ansiedade;
  • Estresse.

Crises recorrentes de soluços, principalmente quando são persistentes, podem ter ligação com problemas do sistema nervoso central, assim como com metabolismo, irritação do nervo vago, frênico ou procedimentos cirúrgicos (e pós-operatórios). Fatores emocionais também podem entrar na lista.

A busca por um profissional de saúde é recomendada quando os soluços durarem mais de 24 horas, especialmente se eles atrapalharem o sono.

É importante identificar e tratar a causa, para evitar o surgimento de novas crises de soluço – de repente, o médico poderá sugerir o uso de medicamentos, que auxiliam a conter as crises. Em situações mais graves, há a opção de bloquear o nervo frênico.

Além de tudo apresentado, há um tipo de soluço crônico que, em muitos casos, exige acompanhamento neurológico.

Fonte:https://bit.ly/2L9Zwmw

Nosso mais novo conveniado, faça parte desta família você também, adquira um dos nossos planos e tenha + de 400 conveniados ao seu dispor.

 

Como aumentar a imunidade?

O sistema imunológico tem a importante responsabilidade de combater os vírus e as bactérias que entram no organismo, protegendo-o de várias infecções. Por isso, quando se fala em “imunidade baixa”, é comum entendermos que o sistema imunológico está fraco demais para defender-se e, por isso, está mais suscetível a infecções.

ALIMENTOS PARA AUMENTAR A IMUNIDADE

Como dito, certos nutrientes auxiliam no fortalecimento do sistema imunológico – muito embora seja importante frisar que os nutrientes isolados não são suficientes, sendo fundamental que haja um equilíbrio de todos eles.

Veja quais são os melhores alimentos para aumentar a imunidade:

  • Acerola;
  • Alho;
  • Castanha-do-pará;
  • Cebola;
  • Couve;
  • Gengibre;
  • Gérmen de trigo;
  • Iogurte e leite fermentado;
  • Kiwi;
  • Laranja;
  • Limão;
  • Maçã;
  • Morango;
  • Tomate;
  • Vegetais verdes-escuros, tais como couve, brócolis e espinafre.

Para melhorar a sua imunidade, é fundamental que você aposte em um estilo de vida mais saudável, optando pela alimentação natural (fugindo dos alimentos industrializados), realizando práticas físicas com regularidade e atividades que tragam bem-estar.

CAUSAS DA BAIXA IMUNIDADE

Existem várias causas que podem baixar a imunidade, mas felizmente algumas situações podem ser facilmente sanadas. Confira quais são as causas mais comuns deste problema:

  1. Alguns medicamentos, especialmente os corticoides e imunossupressores, utilizados em pessoas que possuem doenças autoimunes, doenças inflamatórias, neoplasias, alergias ou que têm rejeição a transplantes.

Certos anti-inflamatórios e analgésicos também podem afetar o número de glóbulos brancos no sangue, atingindo a imunidade;

  1. Algumas doenças, como AIDS, câncer, anemia (alguns tipos), diabetes, obesidade, desnutrição, infecções bacterianas, virais, parasitárias e fúngicas;
  2. Consumo de bebida alcoólica;
  3. Distúrbios do sono, como aquelas pessoas que sofrem com insônia ou que não dorme as horas apropriadas;
  4. Péssima qualidade da alimentação;
  5. Prática excessiva de exercícios físicos;
  6. Questão genética – tendência a ter baixa imunidade, que pode ter sido herdada dos pais, por exemplo;
  7. Quimioterapia e exposição à radiação;
  8. Situações de estresse prolongado;
  9. TPM – alterações hormonais podem afetar o sistema imunológico.

Fonte: https://bit.ly/2nFndtq

H pylori: quais os sintomas, contágio, tratamento e mais

O contágio é através de pessoas e objetos contaminados pela bactéria H pylori. Ela está presente nas fezes, então a má higienização é a grande “distribuidora” dessa inflamação gástrica. Apenas de tocar um objeto contaminado e levar a mão a boca é o suficiente para ela se alojar em seu organismo.

Entenda melhor essa doença e saiba como tratá-la:

O QUE É H PYLORI?

Essa bactéria desenvolve-se na mucosa protetora do revestimento gástrico. Geralmente, não está ao alcance dos ácidos produzidos pelo estômago. E, por produzir amoníaco, é resistente a esses ácidos. Esse mesmo amoníaco contribui para perfurar a camada mucosa, causando sérios danos, como a gastrite.

É comum que o contágio dessa bactéria seja feita ainda na infância, principalmente em locais com poucas condições de higiene. Ela permanece alojada no organismo indefinidamente, produzindo amônia e gás carbônico, por meio da conversão da ureia. Em muitos casos, a inflamação nem apresenta sintomas.

O mais assustador é que mais de 50% da população possui essa bactéria, sendo que a única forma de curar-se é através do tratamento, com acompanhamento de um gastroenterologista ou clínico geral.

Essa doença pode desenvolver 3 problemas sérios à saúde:

  • Úlceras gástricas e duodenais;
  • Câncer de estômago;
  • Linfoma do tipo MALT.

Essa última é uma doença rara, que atinge um a cada 10 mil pacientes infectados comH pylori.

CONTAGIO DO H PYLORI

A bactéria é transmitida por contato com saliva (beijo),relações sexuais (contato íntimo) ou compartilhamento de objetos íntimos de pessoas contaminadas (sabonete e toalhas).

A falta de higiene após evacuar é a principal forma de transmissão da bactéria. Ela está presente nas fezes e, ao sair do banheiro sem lavar as mãos adequadamente, a pessoa carrega a bactéria consigo, espalhando-a por onde passa: móveis, utensílios domésticos e até alimentos.

Todos esses itens contaminados podem transmitir a doença, desde que outra pessoa os utilize e, em algum momento, coloque as mãos contaminadas (ou o objeto/alimento) na boca.

SINTOMAS

Parte das pessoas contaminadas não possui sintomas que mostram a presença da bactéria. Mas, ela pode causar sintomas semelhantes aos da gastrite:

  • Indigestão;
  • Dor ou desconforto na região superior do abdômen.

As úlceras também apresentam sintomas semelhantes, sendo que os pacientes podem sentir enjoos e vômitos, diminuição do apetite e fezes com sangue.

O diagnóstico é realizado por exames de sangue, ar exalado e/ou fezes. Em alguns casos, o médico irá solicitar uma endoscopia digestiva alta.

TRATAMENTO PARA H PYLORI

O tratamento recomendado para eliminar a bactéria é com o uso de antibióticos e inibidor da bomba de prótons, como o Omeprazol. Geralmente, são utilizados Amoxicilina e Claritromicina, para evitar a produção de mais ácido, além da bomba de prótons.

Os medicamos devem ser tomados entre 7 e 14 dias consecutivos, da forma que o médico receitar. Há, ainda, outros medicamentos que podem ser tomados, variando-se o tempo de tratamento e a quantidade de comprimidos ingeridos por dia.

Além dos tópicos, recomenda-se manter uma dieta rica em zinco, como grãos integrais. Há, ainda, alimentos que ajudam a eliminar a bactéria presente no organismo, entre eles iogurtes naturais que possuem probióticos.

Evite os alimentos ácidos, pois esses só prejudicam o tratamento e causam ainda mais queimação em seu estômago.

PREVENÇÃO DE H PYLORI

Para prevenir o contágio do H pylorio ideal é sempre zelar pela higiene. Lavar muito bem as mãos após usar o banheiro é primordial, para impedir que as bactérias alojem-se nas mãos e acabem contaminando outras pessoas.

Evite usar utensílios compartilhados com outras pessoas, como copos, talheres e toalhas de banho/rosto. Ao chegar da rua, sempre lave as mãos com sabão. Se possível, utilize álcool em gel, para eliminar qualquer vestígio de bactéria – isso diminui, consideravelmente, as chances de contágio. E, antes de manusear alimentos, também leve as mãos. Legumes, frutas e verduras devem ser muito bem higienizados.

Fonte: https://bit.ly/2MpJZDN

 

Como tirar espinhas?

As espinhas são um dos problemas estéticos mais comuns e ocorrem quando há entupimento dos poros, por conta do acúmulo de resíduos de sebo e células mortas.

Mesmo que alguns adolescentes e jovens tenham mais propensão ao surgimento de espinhas, elas podem aparecer em qualquer idade, caso a pele mostre condições para tal.

REMÉDIOS NATURAIS PARA TIRAR ESPINHAS

Existem soluções bem rápidas, que podem ser aplicadas regularmente, a fim de remover as espinhas do rosto, sem que afete a saúde da pele. São exemplos:

  1. Mel: esfregue o mel com a ponta do dedo, diretamente sobre as espinhas, deixando secar. Depois de uma hora, faça o enxague do rosto com água mornaFaça isso todos os dias.
  1. Tomate: esmague um tomate maduro, para aplicar pelo rosto. Deixe na pele por 20 minutos e depois enxague.Faça a aplicação por 3 ou 4 vezes na semana.
  1. Clara de ovo: bata a clara do ovo e espalhe-a pelo rosto, para formar uma máscara. Aguarde 30 minutos e enxague a pele com água fria.É recomendável fazer a aplicação 3 vezes por semana.
  1. Alho: esmague um alho (cru) e esfregue a pasta sobre as áreas cheias de espinhas. Por 10 minutos, deixe agir. Em seguida, enxague com muita água.Você poderá usá-la por 2 ou 3 vezes na semana.
  1. Aspirina: pegue várias aspirinas e esmague-as. Umedeça-as com água e esfregue nas espinhas, deixando na pele por 20 minutos. Remova com bastante água e repita a aplicação por 2 ou 3 vezes na semana.

Alguns cuidados são necessários para evitar efeitos colaterais. Por isso, não saia ao sol com as máscaras faciais no rosto e lave bem as misturas para evitar que resquícios possam causar manchas de pele.

Quem possui acne, pode precisar de remédios mais específicos como antibióticos e alguns medicamentos específicos para o tratamento de inflamação cutânea como oRoacutan.

ALIMENTAÇÃO PARA EVITAR ESPINHAS

Certos alimentos podem aumentar a inflamação da pele e as chances de aparecimento da acne, pois irão alterar a produção hormonal.

Para prevenir e evitar piorara situação, é interessante passar longe de alimentos ricos em carboidratos e gorduras. Por outro lado, deve-se focar em frutas, legumes e verduras, assim como em alimentos ricos em ômega 3 e vitamina E.

Vale, ainda, frisar que a ingestão de uma quantidade adequada de água é fundamental para evitar mais acnes.

Fonte:https://bit.ly/2KKpexA

2017 © Copyright - Grupo Líder Plan